quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Uma pergunta que não quer calar




A fé evangélica cresce cada dia mais no Brasil, isso é o que os “números” oficiais mostram; digo, “número” com “aspas”, pois, por acaso, podem o números exprimirem o intangível e invisível mundo da fé? Porque não colocar também entre “aspas” o sujeito “fé evangélica” e adicionar uma interrogação? A “fé evangélica” cresce cada dia mais no Brasil? Agora temos uma pergunta, uma pergunta que não quer calar, uma pergunta que merece resposta. Para responder essa questão é necessário usarmos o teste da Escritura – a regra de fé e prática do cristão. De acordo com o Senhor Jesus Cristo:

"Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores. Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas? Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons”. (Mt 7.15-18 NVI)

De acordo com Tiago:

“De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-lo? Se um irmão ou irmã estiver necessitando de roupas e do alimento de cada diae um de vocês lhe disser: "Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-se", sem porém lhe dar nada, de que adianta isso?” (Tg 2.14-16 NVI).

Ouço uma garota escarnecedora contar o testemunho de sua tia costureira que vendeu a máquina de costura (instrumento de trabalho) para alcançar uma cura. Ligo a televisão e vejo homens de Deus pedindo que os sofredores sacrifiquem o seu “tudo” para Deus. Mudo de canal e vejo “um profeta” ensinado aos desvalidos que para semear prosperidade é necessário dar o que não se tem para a “obra”. Eu vi e ouvi tudo isso, você também tem ciência de tudo isso, eu não acredito que seja melhor do que ninguém. Você vê tudo isso, então, tem condições de responder. Essa fé que cresce vertiginosamente no Brasil é a fé evangélica? De acordo com a Palavra de Deus “orar”, “proferir”, “profetizar”, “determinar” a benção não é nada quando o poder de “fazer” está em nossas mãos e não fazemos nada; que dirá tirar do “carecido de roupa” ou “necessitado de alimento” aquilo que lhe resta ou o que eles já não têm? Será que essa fé é evangélica? Responda!


 S.D.G.


Pr. Andriel Cleber

Um comentário:

Erlon Andrade disse...

Para muitos os valores mudaram.
Valores estes que faziam a diferença, mas hoje, tanto faz!
Triste.